Abaixo-Assinado (#51299):

SICOOB COOPSEF

Destinatário: SICOOB COOPSEF

Ilmº Sr.
Antônio de Ávila e Silva
Presidente do Conselho de Administração da COOPSEF

Nós, abaixo assinados, cooperados da Cooperativa de Economia e Crédito Mutuo dos Funcionários da Secretaria de Estado da Fazenda e Órgãos Oficiais do Estado de Minas Gerais - SICOOBCOOPSEF, vimos, muito respeitosamente, requerer o que se segue, após as considerações iniciais.

Considerando o quadro de Pandemia Covid-19 que assola todo o planeta desde janeiro de 2020 (Decreto Legislativo nº 6 de 20 de março de 2020, que reconheceu a ocorrência de Estado de Calamidade Pública e Decreto 47.891 do Governo de Minas Gerais);

Considerando a queda nas Taxa Selic em diversas reuniões realizadas pelo COPOM do Banco Central;

Considerando a Resolução BACEN 4782 que buscou facilitar a renegociação de operações de crédito de empresas, famílias e cooperativas, que estivessem com seus contratos em dia, dispensando as instituições financeiras e as cooperativas de aumentar o provisionamento no caso repactuação  de operações de crédito a serem realizadas;

Considerando que a tendência é a redução ainda maior nas taxas de juros para combater a recessão provocada na economia brasileira pela Covid-19 e considerando que muitos de nós servidores/cooperados nos transformamos em arrimo de familiares e parentes, sendo o único sustento em um cenário de desemprego e recessão econômica;

Considerando a recente aprovação da Reforma da Previdência mineira que irá reduzir o salário de todos os Servidores Cooperados em média 4,5 %, provocando a respectiva perda de poder aquisitivo;

Considerando que o espírito Cooperativista deve priorizar a estabilidade financeira dos seus cooperados e de constantemente se adequar às novas realidades, requeremos, em caráter administrativo e que se coloque este pleito na próxima reunião do Conselho de Administração da COOPSEF os seguintes pedidos:

1) Redução imediata da taxa de juros dos futuros empréstimos da COOPSEF, estabelecendo-a em patamar menor do que a menor taxa existente no mercado para empréstimos consignados (-de 1%), em face do baixíssimo risco de inadimplência envolvendo tais operações;

2) Redução imediata de 50% (cinquenta por cento) nos juros das parcelas vincendas dos Empréstimos Consignados e em Cheque;

3) Alongamento dos prazos nos empréstimos contratados pelo dobro do tempo (empréstimos contratados por 24 meses que sejam prorrogados por mais 24 meses);

4) Que a referida redução de 50 % e alongamento de prazos não sejam feitos através de novo Contrato, mas sim via “Decisão do Conselho de Administração” para beneficiar o Cooperado em função da Pandemia Covid-19 e da Redução da Taxa Selic pelo Banco Central do Brasil;

5) Dispensa da exigência de Avalista para “Empréstimos em Cheques” pelo Cooperado, uma verdadeira “aberração“, considerando-se que o cooperado é na verdade o dono da instituição;

6) Imediata devolução/desconto no valor do empréstimo consignado cobrado a título de seguro, que no Banco do Brasil, o pagamento desse seguro é facultativo e com o valor menor que a metade do cobrado dos associados pela COOPSEF, de forma obrigatória neste tipo de operação – empréstimo consignado – totalmente segura para a COOPSEF, em razão do pagamento do consignado ser feito pelo Estado, ao descontar no contracheque dos cooperados o consignado;

7) Tornar facultativo de verdade o seguro dos empréstimos consignados, que encarece a prestação final do associado, sem justificativa alguma, porque o risco de inadimplência é próximo de zero. A exigência do seguro, nestes casos, é venda casada, ilegal segundo o Código de Defesa do Consumidor.

Belo Horizonte, 10 de setembro de 2020.

Assine este abaixo-assinado

Dados adicionais:


Por que você está assinando?


Sobre nós

O AbaixoAssinado.Org é um serviço público de disponibilização gratúita de abaixo-assinados.
A responsabilidade dos conteúdos veiculados são de inteira responsabilidade de seus autores.
Dúvidas, sugestões, etc? Faça Contato.