Frase do Dia:



Ir para o AbaixoAssinado.Org


Abaixo-Assinado (#7268):

Pegadinhas Picantes: pura baixaria

Destinatário: gabbyrosa@uol.com.br

Esse abaixo assinado tem por objetivo propor a melhora da qualidade da TV brasileira, manifestando a nossa insatisfação com a baixaria exibida no programa Pegadinhas Picantes. Por isso, segue abaixo alguns tópicos e mais um texto para melhor que ajuda no desenvolvimento e na ideologia que esse abaixo assinado propõe.

Para assinar, NÃO É NECESSÁRIO concordar com todos os tópicos, mas apenas concordar com a idéia: NÃO CONCORDAMOS QUE ESSE PROGRAMA SEJA TRANSMITIDO EM CANAL ABERTO PARA QUALQUER PÚBLICO! Por isso queremos que ele seja trocado por outro programa por conter excesso de baixaria destinado ao público aberto.

Tópicos

• Não concorda que com a criação desse programa que mostra vídeos estrangeiros que misturam humor e erotismo, incluindo cenas de nudez;
• Acha que há muita baixaria;
• Não concorda com as cenas de sexo explícito (isso não significa que deve-se reprimir, mas somente expô-lo de forma natural e consciente);
• Acredita que as piadas deveriam ser passadas somente para quem realmente quer e por isso ser restrita apenas em lojas ou na internet em formato de DVD ou coisa similar, pois elas passam na TV aberta, aonde crianças e pessoas de todos os tipos poderão assistir;
• Acredita que as piadas alienam o povo e não contribuem em nada ao público;
• Não gosta das mulheres que participam das pegadinhas, pois aparecem sempre seminuas e com implante de silicone exagerado nos seios e nas nádegas;
• Acredita que isso induz muitas mulheres a fazerem o mesmo para ficarem com o “padrão de estética” determinado pela sociedade, pois isso faria com que mais homens “gostassem” delas, além de serem mais aceitas socialmente;
• Acredita que isso induz muitos homens a “gostarem” somente das mulheres que possuem o padrão determinado pela sociedade;
• Acredita que ultimamente o humor satírico, irônico, crítico ou simplesmente do cotidiano vem sendo trocado pela comédia contendo sexo explícito, ridicularização de gordos e gordas, machismo e outros tipos de humor completamente inconvenientes;
• Acredita que não basta mudar de canal, é necessário melhorar a qualidade de algo que induz muitas pessoas a atitudes inconvenientes.
• Concorda em trocá-lo por um outro programa com mais qualidade (seja um filme, um seriado ou uma própria novela) e deixá-lo exposto na internet ;




Trechos retirados do texto: “A insatisfação com a TV a erotização infantil” de Marta Suplicy

“Uma pesquisa realizada pelo IBOPE por encomenda do Ministério da Justiça, havia apresentado dados sobre uma situação que todos já conhecíamos: a televisão está exagerando nas cenas de sexo e violência e a sociedade quer um maior controle sobre o que é exibido.

É interessante notar que os brasileiros não querem a volta da censura (32%), mas apóiam a classificação por faixa e horário (64%) e desejariam uma forma de controle social e ético sobre os programas, sob forma tripartite entre governo, emissoras e sociedade civil (41%).

Durante muito tempo vivemos em uma ditadura. A execrável experiência com a censura nos tornou arredios a qualquer forma de controle sobre os meios de comunicação. Todos (e todas) pisam em ovos quando se trata do assunto.

Mas não dá mais para deixar de pensar na nossa responsabilidade frente às novas gerações, que passam, em média, 3 horas por dia frente à telinha, que mostra cenas prejudiciais ao desenvolvimento de crianças e adolescentes. Não se trata de regredir em nossos avanços, muito especialmente quando conseguimos desmontar os tabus e preconceitos e falar abertamente sobre sexualidade. Mas, de que forma isso aparece, hoje, em certos programas?

É preciso diferenciar ‘programas ruins’ e ‘programas nocivos’. È claro que em tudo entra a subjetividade. Por isso mesmo, não estamos pensando em ‘censores’, mas em mobilização da sociedade para exigir que as emissoras de TV não continuem num monólogo: definem o que se deve entregar à sociedade e...pronto. Seriam só elas a não terem uma relação democrática com a sociedade?

Como ficam suas obrigações sociais (até definidas em nossa Constituição), quando se sabe que as concessões de rádio e TV são dadas pelos poderes públicos? Respeitam elas as regras elementares, cumprem seus deveres básicos? Como fica o Código de Direitos do Consumidor?

Por que não são apresentados – e patrocinados – programas como os da TV Cultura, tão premiados e que tanto agradam às crianças? Devemos simplesmente achar que cada um deve fazer o uso de seu controle remoto? Ou é preciso pensar em formas de controle social (sem nenhuma alusão a censura), baseado na conscientização e no poder de pressão de consumidores/as e telespectadores e na responsabilidade do poder público, a quem compete dar as concessões das TVs?

Sei que estamos mexendo numa caixa de marimbondos. E temos que mexer mais, também no bolso dos anunciantes. Se houvesse boicote a produtos que patrocinam programas nocivos, acho que teríamos mudanças na TV. Se tivéssemos patrocinadores para programas tais como RATIMBUM (um sucesso entre a criançada), com certeza teríamos também boa audiência e a contribuição para um processo de formação de mentalidades.

Há quem diga que o problema está na falta de educação do povo que ‘consome’ esses programas. Quanto maior a baixaria, maior a audiência. Oras, será que iremos discutir quem nasceu primeiro: o ovo ou a galinha? Se educarmos o povo, o povo seleciona os programas. Mas se os produtores de TV elevarem o nível de seus programas, contribuirão para a educação do povo, claro.

Compete aos profissionais de TV tornarem temas educativos ou passatempos e brincadeiras de auditório menos desrespeitosas, em programas atrativos. Falar de coisas agradáveis não é necessariamente chato. Onde é que está a criatividade desses profissionais e produtores?

É sabido que nossa agressividade interior pode nos estimular a sentir prazer em programas violentos. Ou para as nossas repressões sexuais, ver programas de sexo explícito podem nos agradar.

Mas como ficam as nossas crianças? Será esta a melhor forma de educá-los? A responsabilidade com a construção de um país saudável é de todos. Muito mais de quem ter o poder e canais de formar opinião, tais como as TVs.

É preciso que esta discussão passe pelos lares, permeie nossos papos familiares, no trabalho e universidade e chegue as ante-salas de produtores de TV, patrocinadores e profissionais da mídia.”

“Quem financia a Baixaria é Contra a Cidadania”

Assine este abaixo-assinado

Dados adicionais:


Por que você está assinando?


Sobre nós

O AbaixoAssinado.Org é um serviço público de disponibilização gratúita de abaixo-assinados.
A responsabilidade dos conteúdos veiculados são de inteira responsabilidade de seus autores.
Dúvidas, sugestões, etc? Faça Contato.